top of page

Comer de Carne

A identidade de Coruche à mesa

"Comer de Carne" é uma mostra enogastronómica que celebra e demonstra os costumes, a autenticidade e os produtos únicos de Coruche numa experiência imersiva em tradição e sabores. Durante dois dias de novembro o prato “Comer de Carne” é preparado com saber e genuinidade singulares em restaurantes e quintas da região. Showcooking em pleno Vale do Sorraia, vinhos de excelência, produtos locais e gastronomia autêntica unem-se à celebração do Dia Mundial do Enoturismo num momento imperdível de comemoração da mais apetitosa herança de Coruche, onde “comer” é substantivo.

A mostra enogastronómica “Comer de Carne” é uma oportunidade imperdível de imergir em Coruche pelo paladar e a garantia de que os produtos locais são preservados e apreciados. Ao longo de todo o ano os visitantes do concelho de Coruche podem desfrutar de produtos locais de excelência, como vinhos, carnes do montado e enchidos - testemunhos de paixão e respeito pelas tradições, reveladores da alma e das raízes do território. O prato “Comer de Carne”, também conhecido entre as gentes de Coruche como “Sopas de Carne”, é uma celebração de sabores genuínos que resistem ao teste do tempo e uma homenagem à riqueza da gastronomia tradicional.

DSC07352.jpg
DSC07966.jpg
telmo.jpg
DSC07878-2.jpg
DSC07492.jpg

Da origem ao presente

Filipa Pereira e Telmo Ferreira:

"Comer de Carne", décadas de saber e sabor

 

Um documentário de Tânia Prates e Telmo Ferreira

"Comer de Carne", décadas de saber e sabor
Município de Coruche

"Comer de Carne", décadas de saber e sabor

O passado

As origens do "Comer de Carne", a sopa de Coruche

Nos campos agrícolas do Sorraia a alimentação quotidiana espelhava as dificuldades económicas vividas pelos trabalhadores rurais. A carne do porco de criação doméstica e os produtos sazonais de horta familiar eram recorrentes na humilde dieta diária, mas não raras vezes um trago de vinho e uma simples posta de bacalhau ou uma sardinha acompanhadas de pão e azeitonas serviam para enganar estômagos entre quartéis de trabalho.

Na copa do rancho a cozinheira tratava de fazer o lume de chão, onde dispunha as pequenas panelas de barro previamente preparadas pelos camaradas de trabalho e cuidava da cozedura do almoço de todos na cocaria - conjunto de panelas de barro em lume de chão nas quais se confecionava o “Comer de Carne”, também designado “Sopas de Carne”, pela mão da coqueira de serviço (cozinheira).

A coqueira assumia um papel primordial na organização do trabalho rural. Determinava o sítio do fogão, colocava as misturas nas panelas de barro e havia épocas do ano em que assegurava três refeições diárias. Também tomava conta das crianças, filhos dos trabalhadores rurais. As cocarias - panelas de barro - eram dispostas em cordões que ladeavam os grandes lumes e colocadas com as barrigas encostadas às brasas.

Antes de iniciar a jornada, cada trabalhador colocava uma tigela ou um cartucho com a mistura para a refeição do meio-dia atrás da sua panela. O lume era mantido forte e as panelas eram vigiadas pela coqueira ou por um dos trabalhadores especialmente escalado para a tarefa, a quem cabia manter o lume e o caldo na medida certa, vigiar a cozedura, introduzir os ingredientes e provar. Em suma, garantir que os trabalhadores fruíssem de uma refeição de qualidade. Este método rural de cozinhar em lume de chão garante uma sapidez única devido à equação de tempo de cocção, calor lento e recipiente fechado. Eis a origem do "Comer de Carne". 

O presente

Tradição e autenticidade da mais genuína gastronomia contemporânea

A gastronomia de Coruche reflete as tradições e os saberes enraizados na comunidade. "Comer de Carne" é disso paradigma - um prato que transcende o conceito de mera refeição, tornando-se símbolo de conexão profunda com a herança cultural e gastronómica da região. Muito mais do que uma simples receita, é um testemunho de respeito pela tradição transmitida por gerações e a revelação da alma rural de um território, cujas raízes se entrelaçam com os sabores e aromas deste prato único, autêntico. Cada garfada é uma viagem no tempo, a uma jornada da laboriosa história de Coruche, celebrada com simplicidade e paixão.

Com significado profundo para os coruchenses, a iguaria está intrinsecamente ligada à identidade da região e à vida quotidiana, sendo um exemplo notável de como a culinária manifesta a cultura e a tradição de um povo, simbolizando a coesão da comunidade e a preservação de valores culturais comuns. Assim substantivado, o "Comer de Carne", também conhecido localmente como “Sopas de Carne”, é, portanto, mais do que um prato regional: é uma cápsula do tempo, da memória e dos sentidos.

Hoje, cada família, restaurante ou cozinheiro local adiciona o seu toque único à receita, tornando-a uma experiência gastronómica diversificada e rica em nuances, o que demonstra a vitalidade da tradição e o seu potencial evolutivo. Hoje, o Comer de Carne está nos cardápios dos restaurantes locais, servido como homenagem às raízes da comunidade, estimulando memórias afetivas e sensoriais que se reeditam em experiências inesquecíveis.

“Comer de Carne” é um tributo à dedicação da comunidade coruchense, que preserva orgulhosamente as suas raízes, lembrando-nos que a tradição, quando celebrada e partilhada, é um tesouro.